Thais não conseguia amamentar o pequeno Mateus. Como a Fundação Abrinq ajudou?

Home / / / Thais não conseguia amamentar o pequeno Mateus. Como a Fundação Abrinq ajudou?

Logo que o filho de Thais nasceu, ela começou a viver um pesadelo também. Mateus não se alimentava. “Foi muito difícil no começo, porque assim que eu ganhei ele, ele já não quis pegar o peito, então coloquei ele no peito com o bico de silicone, só que mesmo assim ele não conseguia pegar o bico direito, não tinha a pegada certa do peito”, lembra ela com os olhos cheios de lágrimas.

Quando nasceu de parto normal, Mateus pesava 3,590 kg, um peso considerado adequado para a idade, mas já no primeiro mês, por conta da dificuldade em se alimentar, seu peso chegou a menos de 2,900kg, considerado muito abaixo para a idade. Nos primeiros dias de vida de um bebê, a perda de peso costuma acontecer e pode chegar em torno de 10% de seu peso, mas aos poucos, o normal é que a criança vá ganhando peso novamente. No caso de Mateus, porém, isso não estava acontecendo.

Foi quando entrou em cena a ajuda da enfermeira Lívia, profissional capacitada pela Fundação Abrinq. Lívia visitou a mãe em sua casa e interviu rapidamente, retirando o bico de silicone e encaminhando a mãe para auxílio médico.

“Eu estava muito preocupada, porque ele chorava muito e eu já queria dar outro leite e mamadeira, só que a enfermeira e a doutora insistiram em dar o peito para ele. Eu sozinha não ia conseguir. Não tinha orientação de como era difícil e achava que era só colocar o bebê no peito que ele ia conseguir pegar, e não é assim, precisa de todo um jeito, um cuidado, uma maneira de pegar o bebê, uma maneira de colocar ele” relata e mãe.

Recentemente, Thais se reuniu a outras mães da cidade que, em agosto, puderam assistir a palestras sobre amamentação promovidas durante a Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM), realizada também pela Fundação Abrinq. Feliz, ela conta que hoje, aos 7 meses, Mateus pesa 9,100 kg, um peso adequado para sua idade. Aos 6 meses, Thais iniciou a alimentação complementar com papinhas doces e salgadas, mas continua firme com o aleitamento materno e diz que vai prosseguir até os 2 anos de idade ou mais, pois para ela “é lindo ver ele mamar assim. O olhinho dele brilhando é muito bonito” comenta ela.

Vale lembrar que o leite materno é o melhor alimento que o bebê pode receber nos primeiros meses de vida, pois contém todos os nutrientes necessários para seu crescimento e desenvolvimento, além de contribuir com a imunidade evitando doenças e infecções.

* O Projeto Juntos para Mudar, com patrocínio da J&J, tem foco na melhoria da saúde materno-infantil e redução da mortalidade infantil.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Instagram
Fundação Abrinq